Maurício, 9.214.827 pts

TudoAzul Topázio nº 7240006495

-23% OFF
Felicidade Clandestina ( EDIÇÃO COMEMORATIVA ) -
  • Felicidade Clandestina ( EDIÇÃO COMEMORATIVA ) -  - 0

Felicidade Clandestina ( EDIÇÃO COMEMORATIVA ) -

  2497314
  2251689
  Fornecido e entregue por Magalu
De 2.493 por:
1.921 pontos

Calcule o frete e o prazo de entrega

CEP Consultado : 00000-000
R$ Valor: 0,00 pontos
  Entrega em até 0 dias
  Adicionar ao carrinho
Desde o início, Clarice Lispector recusou a escravidão dos gêneros. Escrevia por fragmentos que depois montava. Escrevia aos arrancos, transcrevendo um ditado interior. As estruturas clássicas não faziam parte desse ditado. Seu olhar passava por cima das regras, quase voraz em sua busca da essência.Este livro bem o demonstra. É composto por contos escritos em épocas diversas da vida de Clarice. E por não contos. Muitos deles – como “Felicidade clandestina”, que dá título ao livro – foram publicados no Caderno B do Jornal do Brasil. Como crônicas. Que também não eram crônicas.Convidada em 1967 para escrever no JB, Clarice deparou-se com um fazer literário novo. Logo negou os padrões vigentes: “Vamos falar a verdade: isto aqui não é crônica coisa nenhuma. Isto é apenas. Não entra em gêneros. Gêneros não me interessam mais.”E “isto” era a mais pura e rica literatura. Nos contos / crônicas / textos – que eu, como subeditora do Caderno recebia semanalmente, Clarice se expunha em recordações familiares e de infância. Sua irmã Tania ainda se lembra da menina, filha de livreiro, que encontramos em “Felicidade clandestina”, atormentando Clarice por conta do empréstimo de um livro. O professor de “Os desastres de Sofia” realmente percebeu o tesouro que Clarice menina escondia. E “Come, meu filho” é um claro diálogo entre a autora e seu filho. Nada diferencia esses contos, escritos para serem crônicas, de outros contos que aqui estão, escritos para serem contos e publicados anteriormente no livro A legião estrangeira. Seus textos podem ser desmontados, desfeitos em pedaços – até mesmo diferentes dos fragmentos originais – sem que se perca sua intensidade. Cada palavra ou frase dessa escritora sem igual origina-se em camadas tão fundas do ser, que traz consigo, mais do que um testemunho, a própria voltagem da vida.— MARINA COLASANTI, Jornalista e escritora. Prêmio Jabuti para Eu sei, mas não devia e Rota de colisão.

Informações de contato do fornecedor

Para atualizar sua conta, entre em contato com a Central TudoAzul pelos telefones:
Para acompanhar entrega, reportar dano ou extravio de produto entre em contato com o parceiro através dos canais:

4003-1141

Capitais e regiões metropolitanas

0800-880-1141

Demais localidades

4003-1141 - Capitais e regiões metropolitanas ou 0800-880-1141 - Demais localidades

Características

Autor
Lispector, Clarice
Código do produto
ISBN-10 - 8532531733GTIN-13 - 9788532531735ISBN-13 - 9788532531735
Dimensões do produto
Produto: (L x A x P): 14.0 x 21.0 x 20.0 cm.
Ficha técnica
Número de páginas: 160, Edição: 1, Data de publicação: 10.03.2020, Idioma: Português
Informações técnicas
Editora: Rocco, Título: Felicidade Clandestina ( EDIÇÃO COMEMORATIVA )
Peso aproximado
Peso do produto: 171.0 gramas.
Sinopse
Desde o início, Clarice Lispector recusou a escravidão dos gêneros. Escrevia por fragmentos que depois montava. Escrevia aos arrancos, transcrevendo um ditado interior. As estruturas clássicas não faziam parte desse ditado. Seu olhar passava por cima das regras, quase voraz em sua busca da essência.Este livro bem o demonstra. É composto por contos escritos em épocas diversas da vida de Clarice. E por não contos. Muitos deles – como “Felicidade clandestina”, que dá título ao livro – foram publicados no Caderno B do Jornal do Brasil. Como crônicas. Que também não eram crônicas.Convidada em 1967 para escrever no JB, Clarice deparou-se com um fazer literário novo. Logo negou os padrões vigentes: “Vamos falar a verdade: isto aqui não é crônica coisa nenhuma. Isto é apenas. Não entra em gêneros. Gêneros não me interessam mais.”E “isto” era a mais pura e rica literatura. Nos contos / crônicas / textos – que eu, como subeditora do Caderno recebia semanalmente, Clarice se expunha em recordações familiares e de infância. Sua irmã Tania ainda se lembra da menina, filha de livreiro, que encontramos em “Felicidade clandestina”, atormentando Clarice por conta do empréstimo de um livro. O professor de “Os desastres de Sofia” realmente percebeu o tesouro que Clarice menina escondia. E “Come, meu filho” é um claro diálogo entre a autora e seu filho. Nada diferencia esses contos, escritos para serem crônicas, de outros contos que aqui estão, escritos para serem contos e publicados anteriormente no livro A legião estrangeira. Seus textos podem ser desmontados, desfeitos em pedaços – até mesmo diferentes dos fragmentos originais – sem que se perca sua intensidade. Cada palavra ou frase dessa escritora sem igual origina-se em camadas tão fundas do ser, que traz consigo, mais do que um testemunho, a própria voltagem da vida.— MARINA COLASANTI, Jornalista e escritora. Prêmio Jabuti para Eu sei, mas não devia e Rota de colisão.

Felicidade Clandestina ( EDIÇÃO COMEMORATIVA ) -

© 2019 Azul - Linhas Aéreas Brasileiras